CBT e atletas se reúnem para falar sobre o futuro do tênis brasileiro
CBT e atletas se reúnem para falar sobre o futuro do tênis brasileiro 27 Abr 2020

Florianópolis (SC) – O calendário do tênis está parado no mundo inteiro devido ao combate ao Covid-19. Ainda sem uma definição concreta de quando as competições da ITF, da ATP e da WTA irão retornar, a Confederação Brasileira de Tênis (CBT) organizou reuniões virtuais com os principais atletas do país para traçar alternativas para este cenário. As videoconferências foram com tenistas que representaram o Brasil nas últimas edições da Copa Davis e da Fed Cup, além de outros grandes nomes do esporte nacional, que elogiaram a iniciativa e as propostas da entidade.

Foram dois possíveis cenários apresentados. O primeiro é no caso do retorno do calendário do tênis internacional a partir de 13 de julho. Se isso ocorrer, a CBT vai organizar um período de treinamento conjunto para os atletas, de 15 a 20 dias, com passagens, hospedagens e alimentação custeadas pela entidade. Desta forma, os brasileiros poderão se preparar para retornar da melhor forma possível às competições.

O outro panorama é no caso do retorno do calendário internacional mais próximo do fim do ano ou com a suspensão das competições em 2020. Neste caso, além do período de treinamento, a CBT planeja reforçar o Circuito Nacional Profissional, que já existe, para que esses atletas possam competir em torneios com premiação em dinheiro, gerando oportunidades também para todas as pessoas que têm no tênis a sua renda. Para isso acontecer, é claro, é necessário aguardar as orientações e determinações dos governos federal, estaduais e municipais e seguir as recomendações das autoridades de saúde.

"Tivemos reuniões muito positivas com os principais tenistas do país, tanto no masculino quanto no feminino, com a presença dos capitães da Copa Davis e da Fed Cup, Jaime Oncins e Roberta Burzagli. Estamos pensando em alternativas nos diferentes cenários, com a esperança de que essa situação esteja sob controle e possamos retomar com o tênis. Além do período de treinamento, assim como já acontece todo fim de ano na sede da CBT, temos a ideia de reforçar o nosso circuito profissional e já temos até conversas com emissoras de TV que estariam interessadas em fazer as transmissões ao vivo. Seriam torneios com premiação em dinheiro, para que todo mundo possa entrar em ritmo de competição e angariar fundos para ter recursos para viajar na volta do circuito internacional, além de gerar oportunidade de trabalho para árbitros, treinadores e todos que vivem do tênis", explica Rafael Westrupp, presidente da CBT.

Convocada para a última Fed Cup, a paulista Carolina Meligeni elogiou a iniciativa da CBT e se mostrou empolgada com a possibilidade de competir em casa: "A videoconferência foi muito boa e todo mundo ficou satisfeito e feliz com as propostas apresentadas. É muito boa a possibilidade de competir no Brasil, o que permitiria que a gente continue a treinar e competir, além de levantar um dinheiro pensando na volta do circuito". A opinião é a mesma de Beatriz Haddad Maia, ex-top 60 do ranking da WTA. "A CBT apresentou ações bem legais. Quanto mais estivermos juntas para quando tudo melhorar, melhor vai ser. Ter esse intercâmbio com outras atletas é interessante, pois todo mundo pode agregar algo no jogo dos outros. É importante esse tipo de ideia para tentar fazer o melhor para o tênis brasileiro", destaca. Além de todo o time da última Fed Cup, a reunião com as atletas brasileiras contou com a presença de Bia Haddad, Thaísa Pedretti e Ingrid Martins.

Presidente da Comissão de Atletas da CBT, João Menezes também elogiou o que ouviu na reunião com os atletas do masculino, que teve a participação do Time Brasil BRB na Copa Davis e todos os principais nomes do país que competem no circuito internacional. "O saldo da reunião foi muito bom. A gente vê que a CBT está do nosso lado e quer ajudar da melhor maneira possível", frisa. "É importante a entidade estar próxima de todo mundo neste momento. Por mais que não possamos fazer muita coisa agora, é importante que ela esteja próxima e se comunicando, mostrando a sua visão. A ideia do circuito nacional profissional é uma iniciativa espetacular, fundamental para fazer o tênis continuar girando não só para os jogadores", completa o mineiro Bruno Soares.

Após o saldo positivo destes primeiros encontros, a Confederação Brasileira de Tênis continua o trabalho para planejar a retomada das atividades do tênis nacional assim que a situação do combate ao Covid-19 estiver sob controle. Mais reuniões estão sendo organizadas para discutir ações a serem implantadas também no Beach Tennis e no Tênis em Cadeira de Rodas.

A Confederação Brasileira de Tênis tem o patrocínio do BRB, Patrocinador Master do Tênis do Brasil, da Wilson, da Peugeot, da W A Sport e da Maniacs Roupas Esportivas. Apoio do Comitê Olímpico do Brasil (COB) e Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB). Siga tudo sobre a CBT em www.cbtenis.com.br, www.facebook.com/cbtoficial, www.twitter.com/cbtenis, www.instagram.com/cbtoficial e www.flickr.com/cbtenis.